SÓ A UNIÃO

E A MOBILIZAÇÃO

DOS EMPREGADOS

GARANTIRAM O PLANO PARA TODOS E PODERÃO VENCER TODOS OS DESAFIOS

Quero falar com um diretor Quero receber notícias por e-mail Quero me tornar um SÓCIO do Sindicato Últimas notícias

RESISTÊNCIA MANTÉM SAÚDE CAIXA

FUNCIONANDO ASSIM:


O Saúde Caixa é fruto de muita mobilização e se consolidou como direito dos trabalhadores da Caixa no Acordo Coletivo desde 2004. 


Os empregados conseguiram manter o plano, com muita luta e organização, apesar dos ataques das gestões do governo Temer e do Bolsonaro. Esses governos insistiram na quebra do plano de saúde, uma forma de facilitar a privatização da empresa pública. Hoje a Caixa arca com 70% dos custos do plano. Os empregados arcam com os 30% restantes por meio de mensalidade (3,5% do salário + 0,4% por dependente até um teto de 4,3% do salário) + 30% de coparticipação nos procedimentos, com teto de R$ 3.600 por ano.

Os empregados pagam a partir de 3,5% do salário do titular individual até 4,3% do salário titular com dois dependentes ou mais, de mensalidade por grupo familiar

 

Os procedimentos registrados na tabela da ANS e alguns de fora são cobertos pelo plano, inclusive odontológicos, sendo cobrada a coparticipação de 30% por procedimento até o teto anual de R$3.600 por grupo familiar

 

A proporção de custeio no plano

é de 70% pela Caixa e 30%

pelo conjunto dos empregados

 

A partir de 2017 o Governo impôs um teto de gasto para a Caixa no Saúde Caixa no estatuto do banco. Durante a gestão Pedro Guimarães o estatuto foi revisto e esse teto foi mantido. O limite para custeio da Caixa hoje é de 6,5% da folha de pagamento e os proventos dos aposentados


Quando a soma excede os 30%, é gerado um superávit, gerando um acumulado

 

Esse valor acumulado pode ser usado para aumento da reserva, melhora do plano ou ajuste dos itens de custeio, e isso deve ser acompanhado pelos empregados via Conselho dos Usuários do Saúde Caixa e GT Saúde Caixa  

AS AMEAÇAS


A partir de 2016, com o fim das contratações e os PDVs, a Caixa passa a apurar déficits, que mesmo com um superávit acumulado representam risco de aumento para os empregados;

 

Em dezembro de 2017 o Conselho de Administração, por meio do estatuto da empresa, limitou a contribuição do banco para o plano a 6,5% da folha de pagamento e dos proventos dos aposentados. A gestão Pedro Guimarães confirmou essa resolução;

 

A resolução CGPAR 23 impediu por ordem dos governos o registro do Saúde Caixa no Acordo Coletivo e o ingresso de novos participantes no plano, restringindo os benefícios e retirando direitos dos trabalhadores das empresas estatais federais, como a Caixa;


Além disso a CGPAR 23 impunha um custeio de 50% pelos empregados, o que inviabilizaria o plano;


Mesmo com a vitória contra a CGPAR 23, que vem das entidades e do PDC 956 da deputada Erika Kokay (PT-DF), o presidente da Caixa e o governo insistem em impor as regras da CGPAR como individualização do plano e a paridade no custeio (50%/50%).

VITÓRIAS


Grande Mobilização dos empregados conseguiu manter consignado em ACT o Saúde Caixa em 2018 e 2020, mesmo com as restrições da CGPAR;


A mobilização e um forte processo negocial conseguiram chegar a 2021 com o modelo de custeio 70% para caixa e 30% para os empregados;


Apesar da resistência de um governo genocida os empregados ganharam o Saúde Caixa para todos trazendo os mais de 2 mil novos bancários ao plano; 


Também com negociação os empregados conseguiram vencer o déficit e manter o plano sustentável;


Grande mobilização da Fenae, da Contraf-CUT, dos sindicatos e das Apcefs do país conseguiram aprovar o projeto de lei que sustou a resolução absurda da CGPAR 23! 


O processo de negociação conseguiu impedir a implantação do plano individualizado, paritário no custo (50/50) e impeditivo para os aposentados... Por isso a importância do GT Saúde Caixa.

PRAZER, SINDICATO DOS BANCÁRIOS

Quando o bicho pega, quem fica ao seu lado somos nós. Conte com a gente!

Wagner Cabanal

Saúde Caixa e Fórum sobre Condições de Trabalho

Administrado pelo coletivo de dirigentes dos empregados da Caixa


- Atendimento do Saúde Caixa

- Credenciamento e descredenciamento

- Condições de trabalho

Chamar no WhatsApp
Wagner Cabanal

Dionísio Reis

Empregado da Caixa e dirigente Sindical

Chamar no WhatsApp

“O Sindicato está sempre lá por você. Quando seus direitos estão sob ameaça, nós estamos juntos para te acolher e te defender. Em grupo somos mais fortes!”

Ivone Silva

Receba nossa newsletter

Apesar dos nossos quase 100 anos de idade, nunca nos sentimos tão jovens! Nosso Sindicato está sempre em inovação e segue como um dos mais fortes da América Latina.


Vamos juntas e juntos aprimorar nossos serviços e avançar na nossa luta. Seja sócio, seja sócia!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.